Puxada do mastro de São Sebastião- Por Erlon Costa

Arquivado em: Bahia |

Puxada do Mastro De São Sebastião, uma festa de comunidade para todas comunidades
Por : Erlon Costa
(Mestre em Desenvolvimento Sustentável em Terras Indígenas- Universidade de Brasília,
• Especialista em Psicologia Social,UESC, Históriador e etnógrafo da Puxada do Mastro há 18 anos)

A Puxada do Mastro de São Sebastião que acontecerá no próximo domingo na Estância Hidromieral de Olivença, é uma festividade secular que traz em seu bojo uma característica de ritualidade, de memória e de tradição. A atividade tem na comunidade e nas suas ações o diferencial na celebração dos festejos, o envolvimento dos nativos para a realização da festa é o ponto crucial da Puxada do Mastro.
A festa da Puxada do Mastro de São Sebastião em Olivença , tem origem no século XVI quando padres jesuítas estabelecidos na região em uma tentativa de catequização dos indígenas, apropriam-se de uma manifestação cultural nativa , a corrida de tora, para disseminar elementos cristão entre os indígenas aldeados.
Sua história, esta intimamente relacionada a história de permanecia e resistência dos indígenas Tupinambá de Olivença, que utilizaram-se da festa para a manutenção de traços culturais fundamentais na luta afirmação enquanto povo indígena e demarcação de seu território.
A festa que tem vários ciclos , inicia-se com a escolha da árvore, por um grupo de machadeiros os quais determinam qual será o mastro daquele ano, para que no segundo domingo de janeiro a comunidade vá buscar e trazer até o centro de Olivença (Aldeia-mãe).
Ainda nos dias que antecedem a puxada do Mastro, a comunidade de Olivença prepara-se para os festejos ornamentando o espaço, realizando apresentações culturais a exemplo do Bloco dos Mascarados, Terno das Camponesas e Boi Estrela. Manifestações essas que ao som da Zabumba e do Sino do Badalo, fornecem o tom da festa e preservam os resquícios da língua Tupi antigo através do Ajuê Dão, Ajuê Dão Dão, única música cantada durante toda o festejo intercalada com trovas e rimas.
No local onde a arvore é derrubada , denominado de Cepa, existe um misto de fé , devoção e sacralidade, onde indígenas reafirmam seus trocos familiares, refletem sobre a comunidade e repassam a tradição para os mais novos através do Mastaréu; um mastro específico para as crianças que realizam um ritual da mesma maneira que os adultos, desgalhando, descascando e puxando o tronco até chegar na primeira praia.
É importante lembrar que com uma nova concepção de sustentabilidade , novos rituais foram inseridos no festejo ao longo dos anos, sendo o de principal destaque a pratica do poranci antes da saída do cortejo até a mata e o replantio de árvores no local da Cepa.
Vários elementos semióticos são observados nesse instante da festa, folhas de árvores e cipó se tornam adereços de cabeça, pedaços de corda se tornam enfeites para o corpo na busca da memória dos antepassados, o mastro puxado pela população é arrastado pelas praias de Olivença até chegar na ladeira principal onde é aguardado por uma multidão que ao som de bandas locais animam a festa.
Após passado o dia da puxada propriamente dita o mastro é substituído na praça, o tronco novo é retalhado e o antigo guardado junto com o mastaréu para ser queimado nos festejos juninos, muitas simpatias e tradições são realizadas no momento em que o mastro é erguido buscando proteção para toda a comunidade.
Atualmente a Puxada do Mastro tem uma organização institucional por meio da Associação dos Machadeiros de Olivença , que devido as proporções que a festa tomou no calendário turístico regional , busca direcionar a programação para melhor atender a todos que apreciam o folguedo. IMG-20180112-WA0005

comments