Record ajudou Bolsonaro ao exibir entrevista em horário de debate na Globo

Arquivado em: Brasil |

Por Mauricio Stycer, do UOL:
Uma grande questão que envolve a entrevista concedida por Jair Bolsonaro à Record diz respeito ao horário de exibição. Por que a emissora decidiu levá-la ao ar exatamente no mesmo horário em que a Globo dava início ao último debate presidencial com sete candidatos? Pensando no interesse público, não faria muito mais sentido que esta entrevista fosse exibida em horário que não coincidisse com o debate, dando a oportunidade aos espectadores de assistirem, se quisessem, aos dois eventos? Ao optar pelo confronto, a Record deu a entender que se colocou do lado de Bolsonaro. Uma vez que ele não foi autorizado por seus médicos a participar do debate, passou a impressão que a emissora ofereceu uma “compensação” ao candidato do PSL – aparecer na TV ao mesmo tempo que os rivais, em uma situação muito mais confortável.
Ele teve a oportunidade de falar abertamente sobre as suas ideias e projetos, além de atacar os adversários, sem ser contestado em momento algum pelo entrevistador. Perguntas abertas e sem foco, abriram espaço para Bolsonaro discursar livremente. Em boa parte dos 27 minutos, o “Jornal da Record” pareceu o horário da propaganda eleitoral gratuita que o candidato não teve durante a campanha (tinha direito a apenas 10 segundos por programa). Vale a pena comparar a entrevista de Eduardo Ribeiro com as realizadas por José Luiz Datena (Band) e Boris Casoy (RedeTV!) no hospital Albert Einstein há uma semana. Os dois veteranos foram educados e respeitosos com Bolsonaro, como seria de se esperar, mas levantaram questões mais complexas e replicaram respostas do candidato. Do ponto de vista da audiência, a opção da Record se mostrou vitoriosa, segundo dados do Ibope. O “Jornal da Record” registrou números superiores à sua média habitual e deixou a emissora em segundo lugar, à frente do SBT. decisão da Record, generosa em todos os sentidos com Bolsonaro, ocorreu dias depois de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal e dono da emissora, declarar apoio na eleição ao candidato do PSL. A presença do vice-presidente de jornalismo da emissora, Douglas Tavolaro, ao lado do repórter que entrevistou Bolsonaro, como divulgou a emissora, reforçou o caráter oficial do evento.

comments