Saúde: Café faz bem ao coração e previne doenças

Arquivado em: Saúde |

O café é uma das bebidas mais consumidas no mundo pelas propriedades organolépticas (aroma, sabor, textura) e efeito estimulante. Sua composição química é variável e dependente das espécies de café utilizadas, sendo as mais comuns a Coffea arabica (cerca de 70% da produção mundial) e a Coffea canephora VAR robusta (mais de 25%).

O aroma e o sabor do café arábica são mais apreciados que os do robusta, sendo por isso mais valorizado comercialmente. Por outro lado, o café robusta é mais resistente ao ataque de pragas durante o seu cultivo e é especialmente utilizado para aumentar o corpo e a espuma de algumas bebidas, assim como para a produção de café solúvel.

Além da influência da espécie de café, o tipo de processamento a que os grãos verdes são sujeitos (via seca, úmida ou mista, descafeinização), o grau de torra e de moagem, assim como o método de preparação da bebida (filtro, expresso, cafeteira, fervido etc) e a quantidade contribuem para a variação da composição química da bebida final.

Existem diferentes técnicas culinárias para o preparo do café. No Brasil, as formas de preparo mais comuns são: café fervido ou estilo escandinavo (sem filtração do pó), filtrado (filtro de papel), café à brasileira (filtro de pano) e café expresso, além do uso do café instantâneo ou solúvel.

O café é rico em compostos bioativos: a cafeína (1,3,7-trimetil-xantina), estimulante do sistema nervoso central e do músculo cardíaco; os ácidos clorogênicos (cafeoilquínicos, dicafeoilquínicos, feruloilquínicos, ep-cumaroilquínicos), que possuem atividade anticancerígena e propriedades antioxidantes; e os diterpenos cafestol e kahweol, relacionados com o metabolismo lipídico (dislipidemias).

Os efeitos do consumo de café irão depender da qualidade e quantidade dos compostos químicos ingeridos, estando o consumo moderado normalmente descrito como a ingestão de três a cinco doses diárias de café (aproximadamente 150 mg a 300 mg de cafeína/dia). As informações são da jornalista Cris Perrone, do Globo Esporte. 

comments